Apenas Nuvens

Era apenas mais um dia, um lindo dia por sinal, o sol estava a oeste da minha varanda onde sempre ficava neste horário, eram apenas 10 horas da manhã e ele já estava quente como meio-dia. O céu estava bem limpo, não sem nuvens como ficaria nos dias seguintes, mas com algumas formas brancas no céu que facilmente se pareceriam com objetos, cenas ou qualquer coisa que a mente de uma criança pudesse imaginar.
Sentei na cadeira de madeira com estofado florido azul e pousei a xícara de chá sobre a mesinha de canto. Apanhei um livro que Mirna, minha filha mais nova, havia deixado jogado no chão próximo ao pé da cadeira, era “O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá” de Jorge Amado que comprei para meu filho mais velho, Joel, assim que ele aprendeu a ler.
Folheei rapidamente o livro e coloquei ao lado da xícara sobre a mesinha, por mais que gostasse muito de relê-lo, meu objetivo hoje era apenas identificar as formas das nuvens até as crianças chegarem e acabarem com o sossego que eu só tinha aquela horário da manhã.
Observei durante alguns minutos sem conseguir imaginar nada, as nuvens do céu eram apenas nuvens para mim. Peguei a xícara, bebi um pouco do chá e a coloquei de volta sobre a mesa, era de erva doce, meu marido sempre colocava tanto açúcar que chegava a parecer um melado, mas dessa vez estava doce no ponto certo.
Voltei a olhar para as nuvens em uma segunda tentativa de encontrar alguma que parece-se alguma coisa, mas só conseguia pensar em como o céu estava esplendorosamente lindo. Passei cerca de vinte minutos encarando aquele azul claro e suas formas brancas se movimentando até ouvir o barulho da porta, as crianças chegaram, me mantive imóvel, certa de que encontraria um desenho antes que o sossego acabasse em questão de segundos.
Podia ver o fim da calmaria se aproximando, e em 3… 2… 1… a mais abre a porta da varanda, no mesmo instante em que consigo encontrar o que a meia hora procurava, o sorriso se abre acompanhado de um suspiro, afinal eu ainda conseguia ver aquilo que as crianças viam, mostrei-a para Mirna e ficamos sorrindo enquanto nossa linda nuvem borboleta pairava pelo céu, meu dia estava ganho.

Comentários

  1. Amei por que e uma coisa que uma pessoa faz no seu dia a dia

    ResponderExcluir
  2. sucesso para você, já o tem antes mesmo de juntar as letras no mundo virtual... em seu interior ainda há muitas para nascer e nos alimentar através da escrita... parabéns e siga em frente! =)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só leio, só amo, só vivo cada palavra.

Uma breve história de tudo